18 setembro 2014

Reflexões da Mari: Sobre Amor Para a Vida Inteira

Como em um romance de segunda categoria, cheguei a conclusão que o mundo como eu o conheci se ruiu debaixo dos meus pés e foi trocado por uma junção fantástica e abençoada de novos conhecimentos e medos. E um punhado de dor de cabeça. Então, é claro, achei que a coisa mais saudável a se fazer seria dividir com o mundo a respeito dos meus novos conhecimentos sobre a vida e relações humanas - porque é esse tipo de coisa estranha que faço, ao visto.

Passei 24 anos da minha vida acreditando no que me disseram em contos da fada e filmes da Disney de que um dia cruzaria olhares com um completo estranho na rua e que essa pessoa seria "the one"/"a pessoa"/"minha alma gêmea". Pode ser um romantismo absurdo, imaturidade ou infantilidade, mas de fato acreditava de todo o meu coração que existiria alguém que seria o "Um Anel" dos grandes amores; "um anel para todos governal" e coisa e tal, entende? E agora, de maneira absurdamente leve e assustadoramente rápida, meu coração percebeu que não é bem assim que a banda toca.


"E se for eu? E se eu tenha essa idéia de amor na minha cabeça e ela está totalmente errada?" Eu ontem, perfeitamente representada pela Jess Day de New Girl.


Ainda acredito, até mais do que acreditava quando acordei ontem, que existem almas e espíritos destinados a se encontrarem e que compartilham uma ligação inequivocadamente romântica e eterna. Só que não acho mais que todas as pessoas só vão encontrar um exemplar desses, ou que existirá aquele um que superará todos os outros. Pode ser que de fato existam aqueles que cruzarão apenas uma vez com uma alma dessas, e que não haverá espaço para dúvidas - se esse é o seu caso, ótimo para você e felicidades! Mas finalmente fui chocada com a realidade de que esse não é o meu. 

Entreguei uma chave do meu coração pela primeira vez quando tinha 14 anos. Não percebi o que tinha acontecido, apenas que tinha dado à ele a chance de destrancar uma fechadura em uma sala especial dentro do meu espírito - um cômodo do qual já ouvia falar, mas que só então conheci. Mesmo com outras paixões, verdadeiras, felizes, trágicas, rápidas e longas, foi com ele que deixei aquela chave, aquele espaço. E por mais que houvessem outras pessoas durante os anos seguintes que vivessem ao redor, havia aquele lugar onde só ele sabia entrar. Passei noites e noites em claro desejando que houve alguém que pudesse substitui-lo ali, tomando seu lugar e essa sala; e talvez seja um desses casos de que devemos ter cuidado com o que desejamos, pois seis anos após um último beijo houve um primeiro beijo que mexeu com minha alma.

Tive inseguranças e dúvidas demais para serem citadas em um texto. Não sei se posso me culpar, mas a realidade é que uma parte de mim achou quase que absurdo o fato de que havia mais alguém que poderia passar por aquela porta. Passei outras tantas noites sem dormir, comparando-a com ele, com raiva das circunstâncias e com receio de que não haveria terceira chance. Mas como o universo conspira muito mais do que nossa mente, um pouco mais de seis meses depois de mais um último beijo houve outro primeiro beijo; outra chave entregue. E, dessa vez, havia me prometido não colocar a armadura pesada do medo e me jogar. E me joguei, e a amo, e não a trocaria por ninguém. No entanto, ela não me fez esquecer os outros e nem irá. Ninguém irá substituir nenhum deles, nunca.

Logo, percebo que o amor que uma vez senti e é romântico continua vivo dentro de mim tanto quanto quando eu tinha 14 ou 22 anos: ele respira, ele existe. E cada vez que encontrar alguma dessas pessoas, sentirei que há uma chave sendo colocada na porta, que alguém pede para entrar. No momento a terceira pessoa ocupa toda a sala, todo meu sorriso: cada dia com ela é uma experiência nova, cresço mais, amadureço mais, e a amo mais - e agora com a consciência de que meu amor por ela, minha escolha emocional de que ela é a pessoa certa para mim nesse momento (e, quem sabe, para todos os outros), não retira o fato de que os outros dois também são os amores da minha vida.

"Amor da minha vida." Esse é um termo que não saia da minha boca há seis anos, que não tive coragem até então de empregar novamente, mas que agora o faço de coração leve e certeiro. Eles são as pessoas de quem jamais serei amiga, mas que sempre serei a maior amiga. Não sei se as chaves são só três e meu futuro estará entrelaçado com uma dessas pessoas em particular, mas sei que não importa o tempo, a distância, a companhia, as escolhas minhas ou delas, meu amor continuará.

Todas aquelas vezes que achei que o amor deixaria de existir, estava falhando em entender que o amor de verdade jamais morre. Parece quase que semelhante a esperança, ao ter fé, mas ele ainda tem um pé terreno que só quem sente duas almas conectadas e ainda presas em seus corpos consegue entender. Não é meramente o incondicional, o altruísta e a firmeza que o tornam transcendental, mas há uma qualidade de fogo que pode tanto corroer como, mais maduro, aquecer, marcando quem o carrega.

Estou há um pouco mais de 24 horas matutando e tentando digerir de que talvez o destino seja conhecer essas pessoas, e que haverá pelo caminho circunstâncias, opiniões e momentos que me façam estar com uma ou outra. Nesse preciso e exato momento da minha vida, sei exatamente o que é o certo para mim nesse agora, e estou tentando conviver com a noção de que ainda tenho muito o que aprender e viver antes de compreender o momento e a decisão que é quando decide-se estar "para sempre" com alguém. 

Dentro do meu coração, começo a entender que a jornada de amar jamais tem volta e paradas, apenas um caminho em frente. E, seja o que for que essa trilha me guarda, acho que posso me considerar sortuda e orgulhosa por amar três pessoas únicas de forma incondicional, romântica, louca e, assumidamente, por toda a minha vida. No fundo acho que estou vendo que a pessoa "certa" é uma escolha, e não uma imposição; como ser humano, obviamente haverá o medo de fazer a escolha errada. Mas, como apaixonada, posso dizer que pela primeira vez em muitos anos estou finalmente confiando nos caminhos dos meus próprios sentimentos - que hoje continuam de mãos dadas com a pessoa com quem escolho estar na sala mais escondida do meu coração.

Descobri que meus sentimentos e meu destino, caminho, ou seja como quiser chamar, são muito maiores do que um dia acreditei. E, tomada por todo o amor do mundo, pela primeira vez em anos acho que finalmente entendo o conceito do quão livre é o verdadeiro amor. 

Comente com o Facebook:

20 comentários

  1. Meu Deus, Mari, faço minhas as suas palavras. Disse tudo oq tenho sentido no último mês. Tem sido tão difícil, mas muitas coisas belas também estão acontecendo.
    Me acalma mto saber que mais alguém pensa exatamente assim como eu vinha pensando.

    ResponderExcluir
  2. Só queria dizer que ler o seu texto me encheu os olhos de água e o coração de paz, esperança, paciência e coragem de ter um novo amor da minha vida. Adoro você e suas reflexões, espero que um dia consiga estar tão feliz quanto você está neste novo momento.
    Beijos mágicos para ti, Mari <3

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, Mari. Fico cada vez mais admirada com a sua sinceridade e, por querer compartilhar isso com seus leitores e leitoras. Confesso que passei por essa fase também, mas hoje (na verdade há 2 anos atrás) encontrei meu verdadeiro amor.
    Soa clichê, mas a verdade é que o tempo nos ajuda em tudo, de verdade, até mesmo para encontrar a tal "alma gêmea ". Felicidades para você e seu amor <3

    ResponderExcluir
  4. Mari, nunca me identifiquei tanto com uma pessoa, como me identifico com você. A cada texto, vídeo, palavras suas eu quero te dar um abraço e te agradecer por existir e por ser esse ser humano iluminado que você é. Texto lindo, inspirador e com certeza me fez refletir demais sobre mim.
    Posso dizer, que tenho um amor e uma ternura imensa por uma pessoa que não conheço pessoalmente mas que tocou profundamente a alma. Essa amiga que me traz palavras sabias, mesmo não sabendo que eu precisava delas. Um beijo minha linda, felicidades sempre. Amo você .

    ResponderExcluir
  5. Poxa Mari, que texto mais lindo! E como as outras meninas que comentaram também posso dizer que me identifico. Até por ter terminado um namoro há pouco mais de um ano e já poder me dizer apaixonada de novo. Acho que ainda não consegui compreender a verdadeira grandeza desse sentimento, mas com certeza vc o descreveu como ninguém. Incrível como fomos condicionados a achar que quando "acaba", realmente acaba. Mas nada é assim tão simples, né?
    É difícil dizer que ainda amo meu ex, mas amo sim! Ele foi importante pra mim, faz parte de quem eu sou. E compreender que mesmo amando ele hoje posso ser sinceramente feliz com outra pessoa é uma das coisas mais lindas.
    Obrigada por partilhar textos e vídeos tão sinceros e cheios de vida com a gente! (:

    ResponderExcluir
  6. Mari, que texto mais lindo!!!

    ResponderExcluir
  7. "Eles são as pessoas de quem jamais serei amiga, mas que sempre serei a maior amiga." WOW. Que imagem bonita, garota. Você é muito legal, muito madura pra sua idade e muito certeira nas suas definições aí das ditas coisas indefiníveis. Engraçado que sou dez anos mais velha do que você, no entanto também passei recentemente pelo confrontamento do "quem é quem" aqui ao hall dos meus grandes amores. Quando estive triste ao perder meu grande amor, e as pessoas diziam "vai passar", eu até introjetei isso, e fiz minha vida funcionar em torno dessa crença de que "passaria", mas lá no fuuuuundo, ali onde tudo é certeza, sempre soube que isso não seria possível. Não ele, não daquela vez. Não depois de tudo. E tudo bem. E agora sou eu e tudo que esse amor me ensinou. E as outras pessoas que ainda vou amar. Num ciclo radioso e doce de aprendizado, força e alegria. Queria eu ter aprendido isso aos 22 anos. Você é muito sábia e sortuda, acredite. Obrigada por dividir pensamentos tão grandiosos assim, generosamente :)

    ResponderExcluir
  8. Linda Mari, lindo texto! Me fez chorar horrores! Feliz por ti e ansiosa por voltar a me sentir assim! Um dia magicíssimo pra você!

    ResponderExcluir
  9. Oi Mari..

    Se houvesse uma prova do Enem que caísse somente questões do coração eu seria irrevogavelmente reprovada.
    Sempre fui, como você, uma romântica incorrigível, sempre sonhando acordada por ai, criando histórinhas de "felizes para sempre" na minha cabeça.
    Tive minhas desilusões amorosas pelo caminho, a última ainda me faz suar pelos olhos porque foi recente, e a cada vez que tenho meu coração partido um pouco do meu romantismo se esvai.
    Sei que isso não deveria acontecer, mas acontece, sempre.
    Estou cada dia mais cética quanto ao amor e a essa história de alma gêmeas. Parece que hoje em dia principalmente ninguém consegue mais ficar junto, existe um misto de egoísmo e auto preservação dentro das pessoas que impedem elas de viver um amor intenso e duradouro. Parece que depois que elas descobrem como somos de verdade esse tal amor que elas juraram ter por nós simplesmente desaparece.. E todas aquelas promessas de "quero você para toda a vida" não passam de palavras cruéis.
    Não que eu tenha virado uma mulher sem sentimentos e incapaz de amar novamente, mas hoje estou muito mais cautelosa e descrente que eu encontre alguém que ficará do meu lado independente do que aconteça..
    Mas enfim, gostei do texto, estou seguindo o blog porque quero ler mais textos assim.

    Beijos e até mais

    O Outro Lado da Raposa
    Twitter
    Facebook

    ResponderExcluir
  10. Bem... Eu tenho 19 anos, e apenas ano passado, quando estava com 18, é que tive meu primeiro relacionamento amoroso. Passei a minha adolescência inteira fechada num casulo, e devo dizer que ainda estou nesse processo de libertação em que essa pessoa foi muito importante. Sim, "foi". Hoje posso dizer que apesar dele não ter sido uma escolha minha mas sim uma imposição de amigos e familiares, foi uma pessoa que me fez bem. Aprendi muita coisa, conheci muita coisa e hoje sou uma pessoa melhor do que era ontem. Apesar de agora eu saber que nunca de fato entreguei a chave da minha sala pra ele, que nunca realmente senti algo além da amizade, e de não mais termos contato, ele foi um marco na minha vida. Ninguém nunca vai conseguir tirar esse lugarzinho dele no meu coração, que não é secreto nem guardado a sete chaves, mas ainda assim é especial.

    ResponderExcluir
  11. Acho o amor um sentimento muito lindo e ao mesmo tempo muito doloroso. Só que já passou pelo baque de terminar algum relacionamento onde existia amor sabe o qua dolorido é.
    Pois, assim como você, para mim o amor não tem fim. A gente ama, a pessoa cultiva ou para de cultivar o sentimento. Mas o sentimento não morre. O carinho é único, insubstituível e isso me machuca um pouco porque o término é sempre uma porcaria.
    Entretanto, saber que vai aparecer outro alguém num dia em que eu estarei disposta a me despir da armadura do medo, me faz ter a certeza de que vale a pena seguir amando...

    ResponderExcluir
  12. Lindo e emocionante. Você tem uma alma linda!

    ResponderExcluir
  13. Que lindo, Mari! Me emocionei lendo o seu texto. Que bom que você encontrou um amor tão maravilhoso e puro assim, espero que vocês sejam imensamente felizes. :')

    ResponderExcluir
  14. Que texto profundo!!! amor é mesmo um turbilhão de emoções, houve um tempo que achei que só se ama uma vez, depois descobri que a várias formas de se amar, em fim, vamos viver o que sentimos e amar... amar... amar .... Beijos Mari lindo texto.

    http://www.angelimcosmeticos.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Lindo texto Mari. Sabe eu errei na minha última escolha. hehe Na verdade entreguei a chave pra uma pessoa que simplesmente jogou-a fora... Fiquei realmente triste por muito tempo, mas acabei me conformando... Afinal, nosso caminho é cheio de obstáculos para que possamos aprender com eles. Isso não quer dizer que o amor acabou, muito pelo contrário.... Ele cresce mais ainda, só que por outra pessoa agora ^^

    ResponderExcluir
  16. Não podemos nunca perder a fé naquela magia invisível e naquele pó de pirlimpimpim que o nosso coração quer que exista,mesmo que a gente acorde,leia o jornal e corra atrás dos nossos objetivos como deve ser.Porque o nosso único guia confiável é o nosso coração e ficou bem claro nesse texto lindo que você entendeu isso.Pessoas são insubstituíveis.Cada uma leva um pouquinho de nós.Mas a escolha certa aparecerá no devido tempo e vai fazer você se sentir completamente em casa.

    ResponderExcluir
  17. Olá Mari,

    Assisti ao seu vídeo de coração para coração, e eu sou como o seu irmão, não me importo. Já te seguia pelo insta então não foi nenhuma novidade.
    A única coisa que eu não entendo é a necessidade que vc tem sentido ultimamente em mostrar pra todo mundo que vc está com alguém, independente de ser homem ou mulher. Mal acabou sua história com a Vamp e vc já postou foto beijando (mesmo que no rosto, mas dá pra ver que tem algo a mais ali), uma outra garota. Não é por ser garota, mesmo que fosse homem, ou tanto faz, qual a necessidade de vc expor isso? Não que tb tenha que esconder, pq aí vc pode dizer que se fosse um menino ninguém estaria dizendo nada, mas estaria sim, independente de qq coisa, é muita informação em pouco tempo.
    Você quer que o mundo veja que vc tem uma pessoa e que ela é uma menina? Se fosse um rapaz vc estaria abrindo isso pra todo mundo dessa maneira? Ou esperaria um pouco antes de postar foto beijando outro cara?
    Me perdoe se a garota for só sua amiga, mas não é oq parece.
    Vc é exemplo querendo ou não, pra muitas meninas, a maioria adolescentes, e que mensagem vc está passando? Por mais que vc diga que o importante é amor, que vc é uma pessoa que ama, mas ama e desama com uma facilidade né? Me desculpa mas isso não é amor, isso que vc enche a boca pra dizer que é amor, só me mostra uma garotinha imatura que não sabe ainda oq quer da vida. Coisa de adolescente boba.

    Dani

    ResponderExcluir
  18. Oi, Mariana! Conheci o seu blog por meio do seu canal no YouTube. Você poderia nos relatar como foi ou está sendo o seu tratamento com o óleo de prímula, por favor? Muito obrigada e bom fds! Abraços!

    ResponderExcluir
  19. Já entreguei minha chave duas vezes. A primeira pessoa deu risada, devolveu a chave e foi embora, me deixando um trauma que levou um pouco mais que dois anos para ser cicatrizado. Uma segunda pessoa bateu na porta trancada, eu com medo não quis abrir, ele foi embora. Mas deixou boas lembranças. Uma terceira pessoa cruzou meu caminho e como nos filmes da Disney trocamos olhares e quando os dois tímidos perceberam que estavam apaixonados pra valer foi questão de um ter coragem (no caso ele) pra me dar um beijo sutil e perfeito que parecia (assim como os outros primeiros beijos) retirado de uma cena de cinema, a grande diferença foi me entregar a história sem medo do "fim do filme" e eu não podia ter feito melhor escolha! No dia seguinte o que todos me diziam que nunca iria acontecer aconteceu pra mim, ele me pediu em namoro de um jeito muito surpreendente, minha cabeça girava! Afinal, foram uns 20 dias desde completos estranhos, nos apaixonarmos e tomar fôlego e coragem pra unir nossas histórias. Estamos juntos até hoje (colados, grudentos como dizem os não tão fofos e românticos kk), e posso dizer que essa pessoa fez uma diferença absurda na minha vida, me ajudou em momentos muito difíceis e também está comigo pra tornar tudo mais leve e feliz. Eu não me imagino mais separados porque mesmo que não formemos um par romântico, por assim dizer, se as almas realmente existem, as nossas são antes de tudo melhores amigas.
    Amor de verdade não acaba, não morre. Mas se o outro não te ajuda a cultivar a semente não germina e permanece dormindo. É preciso muuuuuita atenção e cuidado diário pro amor crescer forte e saudável..

    Te amo também Mari, te considero minha melhor amiga de sempre (ou desde uns 4 anos atrás quando te conheci haha-). Você também me ajuda muito, mal faz idéia do quanto!
    Siga seu coração e não tenha medo de amar 💕

    ResponderExcluir
  20. Nossa Mari... Ainda bem que li justamente hoje o seu texto... Me fez pensar em tudo que tem acontecido comigo... E de certo modo pude confortar meu coração... Hoje ele anda tão partido que nem venho sabendo o que fazer para consertá-lo... Cheguei a conclusão de que não posso apagar meu passada e nem conseguiria. Acho que o certo é seguir em frente... E nunca esquecer os momentos bons ... Pois tudo tem significado... E é importante para o nosso crescimento

    ResponderExcluir

Copyright © 2014 - marianasantarem.com.br - Todos os direitos reservados. LAYOUT E ILUSTRAÇÃO POR KÊNIA LOPES. PROGRAMAÇÃO POR SUGAR DANCE.