24 março 2014

Resenha: La Petite Robe Noir da Guerlain



Eu amo perfumes. Talvez eu devesse até mudar a frase: eu amo cheiros. Adoro respirar profundamente um aroma delicioso na cozinha, ou parar para apreciar a fragrância de uma planta pela qual acabei de passar... E, claro, adoro pessoas cheirosas. Sou conhecida por pedir um abraço extra as vezes para as pessoas porque elas cheiram tão bem! A cena é algo como eu falando "Nossa, me abraça de novo: seu cheiro é uma delícia!". O que já resultou em cenas meio estranhas, já que certa vez uma amiga me perguntou se ela cheirava mal, já que eu sempre dava só um abraço nela - não, não cheirava rs E teve mais de uma vez onde tive um momento de paixão platônica por alguém baseado em seus cheiros. Mas passa, sempre passa: como um bom perfume, para bem ou para mal, uma hora vai embora! hehe

Quando falo de fragrâncias em algum vídeo do meu canal no YT, me sinto toda envaidecida e contente quando comentam que gostam da maneira como que descrevo os cheiros/notas. Isso me deixa para lá de feliz, já que é algo pelo qual sou apaixonada e que poderia matraquear a respeito por horas! Sendo assim, prometo me esforçar cada vez mais nesse quesito e decidi que a primeira resenha do novo blog deveria ser sobre um aroma engarrafado pelo qual sou doida de amor: o La Petite Robe Noir, da Guerlain.

Já havia comentado sobre ele em algum favorito do mês e desde então estou devendo uma descrição mais detalhada dessa belezura. Como é um cheiro apropriado para os meses mais frios, achei que cairia bem apresenta-lo agora na primeira semana de outono.













Vale começar dizendo que um perfume da Guerlain não é uma criação feita com a mente de uma geração criada a base de CK One e explosões docinhas da Juicy Culture: é algo encorpado, de um senso aromático que é mais maduro até na sua jovialidade. Além de ser uma casa perfumista histórica (o que, para mim, já dá um gosto especial ao pensar que um dos meus cheiros prediletos vem de lá: é algo que me faz sentir próxima da história dos perfumes!), ela se atém em uma filosofia de criação que pode não ser tão popular entre os que estão acostumados com cheiros mais "fáceis de entender", mas que vale a pena ser sentida por todos os que se sentem meio "répteis", farejando o ar e querendo solver mais e mais de um cheiro complexo e fantástico.

Agora, o La Petite Robe Noir ("O Pequeno Vestido Preto" em francês) é um perfume mais jovem do que os demais da mesma marca. Quando o comparo com algo como o Shalimar - a criação icônica da Guerlain, que era conhecido por ser a marca das vedetes do jazz e das "mulheres sensuais" dos anos 20 - é uma diferença gritante no bom sentido: ele é muito mais simpático e fácil de "digerir". Inclusive, é o único perfume com uma marcação tão presente de rosas que eu considero jovem. E eu o adoro ainda mais por isso!

As duas rosas presentes na sua composição se encontram entre as notas de coração, mas são balanceadas de modo perfeito pela presença de bergamota e cereja na saída, pelo alcaçuz também no coração e o anis de base. Eu definiria a sensação como um aroma de rosas envolto com algo fresco, energético! Não é aquele cheiro de "pó" velho, nem aquele aroma super datado de pétalas secas. É um perfume oriental mais adocicado, com patchuli e baunilha dando um "abraço" final bem marcante. Por sinal, marcante é um adjetivo fantástico para descreve-lo: ele é notado, sempre.











O que deve-se ter em mente é que ele não é um perfume gourmand, com cheirinho "comestível". Ele é ao mesmo tempo cosmopolita, contemporâneo, e também clássico. Se você gosta de cheiros mais suaves ou mais modernos e unissex, vai detestar com um "d" bem grande o LPRB: quando eu o uso, me sinto pronta ao mesmo tempo pronta para ser Audrey Hepburn em Bonequinha de Luxo e também Maria Antonieta. Parece que o aroma ficou em algum ponto da história, cheio de feminilidade, intensidade e presença. É floral, mas muito exótico e quase que geladinho pelas poucas frutas da composição.

Por ser um Eau de Parfum (logo, contém uma alta dose de essências) ele tem uma duração fantástica em mim: mais de 10 horas, fácil fácil. Já aconteceu de dormir e sentir ele no meu travesseiro na manhã seguinte, ou de tomar um banho mais quente e sentir o aroma se mesclando no vapor do chuveiro. Isso, somado ao fato de ser um cheiro com presença marcada mesmo, torna-o ideal apenas para dias mais frios ou amenos: não há cereja no mundo que fizesse com que ele se tornasse algo levinho para o dia-a-dia de verão.

As vezes gosto de usa-lo quando ponho calças justas, botas de cano alto, suéter larguinho e echarpe: me sinto quase que idílica, olhando talvez para a chuva caindo nas ruas de Paris. Em outras vezes, adoro vestir um tom de "joia", como um um vestido rodado de cintura marcada em uma cor saturada, com olhos esfumados, e parece que a essência me transporta para um "eu" um tantinho mais sensual. Noutras, meu prazer envolve a idéia de estar usando esse perfume em um café em um encontro quando já se está apaixonado e parece que você só se encanta mais e mais com a pessoa. Não é "meu cheiro" de "mulher", mas é meu cheiro mais "seguro", confiante, de dias frios deliciosos, roupas macias e de corte mais clássico, e tons femininos icônicos.











Para se ter uma idéia do quanto gosto dele: o conheci através de amostras grátis e, assim que percebi que elas estavam acabando, fui atrás de comprar um frasco de 50ml logo para não ficar sem. Apesar de ter passado um bom tempo sem usa-lo por culpa do calor, a minha alegria pelos termômetros mais baixos se encontra em parte pela idéia de voltar a me espirrar com o La Petite. E nem preciso espirrar muito: um spray atrás de cada orelha - ou ainda nos pulsos e depois pressiona-los contra o pescoço - é mais que o suficiente. Precisa-se dosar a mão porque, como já disse umas dez vezes no post (^^') ele é poderoso.

A embalagem, para o meu gosto, é um charme que só: o topo é vagamente inspirado em colunas gregas, com a tampa plástica contendo uma analogia ao logo da casa Guerlain (que também é presente no topo do spray - uma característica bem luxuosa!). É clássico de todo perfume da marca ter na tampa uma fitinha com o nome "Guerlain" escrito; um charme que aprecio tanto pela estética quanto por ser histórico. O corpo é todo de vidro rosado, com efeito degradê. Não consigo decifrar se na frente ou atrás - acho que vai de cada um que olha - mas há a silhueta do vestidinho preto (que super dá para imaginar em mim, vamos lá! hahaha) em um lado e o nome estilizado do perfume do outro.

Os preços não são muitos amigos: eles variam entre R$205, R$295 e R$420 pelo de 30ml, 50ml e 100ml respectivamente. Comprei o de 50ml e creio que me durará por um longoooo tempo: afinal, é super concentrado e só é necessário um pouco para dar o efeito completo. Isso, e o fato de só conseguir usa-lo na metade mais fria do ano. Mas por algumas coisas vale a pena esperar: pelo cheiro querido que lembra uma nova estação ou, quem sabe, pelo vestidinho preto perfeito. O primeiro já achei, e o segundo prefiro em verde e ainda estou na busca. E tudo bem, porque o charme as vezes está na jornada: como na de cheiros e minuciosidades que o La Petite Robe Noir oferece para quem tem o prazer de se encantar pelo seu aroma.



Comente com o Facebook:

7 comentários

  1. Realmente...não se encontra um post sobre perfumes com tanta profundidade assim em qualquer blog.
    Mariana, acho que é a primeira vez que comento aqui mas já acompanho suas postagens a um bom tempo.
    É difícil um post me impelir a comentar. Adorei o modo como escreveu, como descreveu. Geralmente, me deparo com posts sobre perfumes superficiais, mas o seu me fez parecer conhecer o perfume, a casa perfumista. Poucas blogueiras procuram conhecer as fragrâncias de tal forma e sabem apreciá-la assim.
    Você vai além e isso é ótimo. Me descansa da mesmice.

    ResponderExcluir
  2. Oi Mari, você é incrível! haha Adoro seus vídeos e posts, acompanho há um tempãaao, mas nunca comentei.
    Sou muito leiga nesse assunto de perfumes, mas acho muito interessante... E seu texto me deu vontade de sair correndo para comprar um Petite Robe Noir, hahaha
    Muito sucesso nessa nova fase com o blog <3
    Beijo, Isabela.

    ResponderExcluir
  3. Mari minha linda, li seu post inteiro e ao final percebi que estava lendo com sua voz em mente. Nossa sou apaixonada por perfumes, eles me fazer viajar na linha do tempo. Como você é iluminada, jamais vi uma resenha com tanta profundidade de um perfume. Estou apaixonada pelos post do blog, entrando todos os dias para conferir *-*.
    http://sabrinaikeda.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Adoro experimentar novas fragrâncias.
    Também adoro pessoas cheirosas, principalmente aquelas com cheirinho natural.
    Beijos, Mari. <3

    ResponderExcluir
  5. Oi Mari, vc sabe me dizer se esse perfume é parecido com o Lolita Lempicka? Te pergunto isso pq sei que adora esse último também.

    Bjins

    ResponderExcluir
  6. Eu tive que comprar. E confesso que estou me mordendo de ansiosidade pra ele chegar logo!
    Obrigada por sempre nos apresentar coisas interessantíssimas assim, Mari. Grande beijo.

    ResponderExcluir
  7. Eu simplesmente amei a sua discrição! Perfeita... pois é exatamente assim que me sinto quando uso o meu!
    Eu nunca estive tão apaixonada por makes e perfumes como estou atualmente.
    E a sua discrição, realmente, foi SENSACIONAL!

    ResponderExcluir

Copyright © 2014 - marianasantarem.com.br - Todos os direitos reservados. LAYOUT E ILUSTRAÇÃO POR KÊNIA LOPES. PROGRAMAÇÃO POR SUGAR DANCE.