30 junho 2012

Uma Galáxia de Distância

Eu serei a primeira a admitir que minhas epifanias vem em horas nem um pouco poéticas. Já aconteceram em um ônibus com cheiros um tanto quanto "desagradáveis" ao lado do meu nariz, quando shampoo caiu no meu olho durante o banho e certa vez uma veio quando grampei meu dedo tentando juntar mais páginas do que deveria. Então, sem favor algum, eu vou dizer que não sou especialista em momentos fantásticos para ter uma visão fantástica. Essa aqui ocorreu assistindo Sailor Moon: Serena/Usagi não deveria ter ficado com Darien/Mamoru.

Pois é, arruinei sua infância em uma frase? Aconteceu comigo em uma fase - a Stars, para ser exata. Nela, que eu nunca havia visto na integra, eu percebi algo que era apenas um pressentimento sem consciência em outras: que, tirando os laços-de-outra-vida-vocês-tem-que-ter-um-futuro-juntos, Serena e Darien não tem coisa alguma em comum. Não que não se amem; eles se amam, sim. Mas não é o tipo de amor que te faz crescer com o melhor de você, e sim um em que uma figura com maior controle domina certa parte de ti e te faz diferente. Não que isso seja ruim, mas não é você, em essência. É o que esperam, o que querem de ti, o que você deveria ser. Não o que se é.

Vamos lá: não acho que uma Tóquio de Cristal e um Milênio de Prata poderiam ser construídos apenas se os dois fossem um casal. Se existe um objetivo em comum entre duas pessoas, ele pode ser atingido se elas trabalharem juntas - e de maneira muito melhor do que se elas se metamorfosearem em uma só, em um conjunto indivisível que as pessoas esperam que aconteça. É algo velho, mas não tão claro para muita gente: o príncipe encantado nem sempre é um príncipe. E, mais do que tudo, o destino não deveria ser uma corda no seu pescoço te obrigando a servir (sim, não seguir, e sim servir) um certo caminho.

Não quero envolver demais das minhas próprias crenças aqui, mas o fato é que mesmo se formos pensar no aqui-agora, não é porque uma pessoa foi a certa para você em um momento do espaço que ela será certa sempre. Especialmente se todas as outras ao redor é que tem que martelar na sua mente o quanto vocês deveriam ficar juntos, porque vocês devem ficar juntos, porque são feitos para ficarem juntos. Muito dever, pouco sentir. Me recuso a crer que sou obrigada a estar com alguém apenas porque em outro lugar, em outra vida, foi o que eu queria.

Especialmente quando surge alguém novo. Alguém cujo amor não é o mesmo tipo de calor que você sentiu antes, mas é diferente: tem paciência, sorrisos, química, jogos de softball. Não um cuidado como se sua figura fosse feita de porcelana, esperando para ser quebrada: mas, ao mesmo tempo, com tanto desejo de te proteger como se fosse a estrela mais brilhante. Esse é o tipo de amor que não surge em um momento, em uma memória: é construído no dia a dia, na perda de concentração da sua missão original, no desenrolar de algo que é natural - não um dever, mas o simples desabrochar de um sentimento poderoso, incrível e extraordinário.

Se alguém tem que te lembrar que outro existe e que você deveria escolhe-lo, quer dizer que seu próprio coração começou a perceber que existe um lugar para algo diferente. Algumas coisas são perfeitas no papel e por um certo tempo, mas a perfeição é uma entidade efêmera e tediosa, que acaba por nós tornar calmos e blasés. Inteligência é adquirida com ela, mas jamais a sabedoria de quem comete os erros ao seguir o próprio caminho para chegar ao seu NOVO destino.

Por isso, não tenha medo de ir em busca do frenesi descontrolado que sente abrochar. Ninguém deveria ser obrigado - por contrato, por promessa, por vida passada, por um anel - a amar alguém. Amor é algo imperfeito, esquisito, com um calor que nunca se encontra igual em dois corpos. E, por isso mesmo, não canse de busca-lo: mesmo que exista uma galáxia de distância entre vocês.


Comente com o Facebook:

16 comentários

  1. Incrível como algo que era tão inocente e despretencioso na minha infância você conseguiu olhar por um outro lado mais maduro, adulto e com um significado para a vida real, mari. Sabe, desde pequena também achei que a Serena e o Darien não deviam ficar juntos. Sempre torci para Serena e Seiya, ahahaha. Será que eu também já pensava do mesmo jeito que vc escreveu, no alto dos meus 7, 8 anos de idade, mesmo que inconscientemente?
    Ah, e muito obrigada mari. "não é porque uma pessoa foi a certa para você em um momento do espaço que ela será certa sempre." Você não fazia ideia, mas era exatamente isso que eu precisava ler nesse momento da minha vida.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso! Este texto eu realmente preciso do fundo da minha alma aplaudir pois tem relação direta com algo que eu passei. E, sabe, Mari, eu não corri atrás do amor de outras vidas. Na verdade, por eu o amar, o deixei livre, e, consequentemente, me libertei.
    Minhas epifanias também vem a mim em momentos que de tão improváveis acabam sendo previsíveis. E o pior é quando eu não tenho papel e caneta por perto. Então eu tenho que ficar repetindo a ideia na minha mente, até que, por vezes, ela se torna tão banal para mim que simplesmente desisto dela.

    OBS: Realmente, é muito difícil deixar as crenças de lado quando se escreve de um modo mais geral.

    Beijão

    ResponderExcluir
  3. Que texto SENSACIONAL, Mariana! Desejei tê-lo escrito, de verdade.
    Sailor Moon marcou muito minha infância, muito mesmo! Só que eu vado Darien e Serena juntos, né, mas vendo pelo seu lado, nossa, tudo a ver! O amor não é obrigação! Tive um relacionamento que empurrei com a barriga porque todo mundo achava a gente perfeito um para o outro e, olha, sofri do meio para o final desse namoro que você nem sabe...Mas agora segui o coração mesmo e estou construindo algo muito bom com um rapaz que é sensacional comigo e me faz, involuntariamente, pensar nele da hora que levanto até a hora que durmo e aí sim, encontro a felicidade.

    Beijo! :)

    ResponderExcluir
  4. Nunca gostei dos dois juntos, mas era porque eu achava o Darien um pé no saco. Pensando por esse lado dá pra gostar ainda menos dele, faz mesmo muito sentido isso. Mas a Serena nunca pensou nisso, e eu até entendo o lado dela. Podia não ser o certo, mas ela sabia que ela o amava e que era recíproco.

    Anyway, Seiya <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Adoro as coisas que vc escreve..espero videos novos no canal.
    beijo, mari :*

    www.donnapepe.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Amo as coisas q vc escreve...estou apaixonada pelo o seu blog
    BLOH : www.mandaedessa@hotmail.com

    ResponderExcluir
  7. Concordo muito com a ideia que vc quis passar no texto Mari, mas jamais concordarei que Darien e Serena não deveriam ficar juntos!! Entendo seu ponto de vista mas não acho que a relação dos dois se resuma a obrigação, pq veja bem, eles se apaixonaram um pelo outro sem saber que eram predestinados a isso! Foi natural, nada foi forçado!! Faz tempo que eu vi SM Stars mas tenho uma vaga lembrança de que a Serena se deixa envolver pelo Seya em um momento de carência não? Em que o Darien não está por perto?? Isso pra mim diz muita coisa... Fora que, Serena e Darien são muito diferentes mesmo, porém se completam não por serem predestinados e sim pq eles aprendem um com o outro, só coisas boas!! A Serena aprende com a maturidade do Darien e ele, com a docura dela!
    Mas super entendo a ideia que vc quis passar no texto e transferindo pra vida real vc tem toda a razão! Só não concordo quando se trata do casal do meu anime preferido! rs

    ResponderExcluir
  8. Oi Mari, acompanho seu canal no youtube e seu blog também, adorei seu texto e copiei no meu blog, mas não esquenta, não tirei seus créditos, se quiser conferir http://oblogdacadenobi.blogspot.com.br/, passa lá.

    Beijos, adoro seus vídeos e seu blog

    ResponderExcluir
  9. Mari, ( posso te chamar assim? ) a pouco tempo, comecei a ver alguns vídeos seus, mas foi depois de ver a make e o cabelo inspirado em Guerra dos tronos, e amei, não tinha lido nem visto a série mais o seu jeitinho me fez me interessar por você e pela série, comecei a ler não sei se tô gostando, pq bem no comecinho mesmo. Enfim, fiz uma maratona Viiixxxen hoje e ainda não consegui ver todos os seus vídeos que me interessavam comecei a ver desde o começo, vi uns 20 e falta os de 2 meses atrás que eu quero ver quase todos até hoje, então outra hora continuo, adorando você, BEIJOS! SUCESSO SEMPRE

    ResponderExcluir
  10. Puxa, que texto legal! E olha que eu nem sou fã de Sailor moon para saber exatamente sobre a estória, já que só assistia de vez em nunca, mas deu pra entender. Muito bom! Parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Olá! Encontrei seu vídeo "Minha história com acne(...)" por acaso, vi e te achei muito fofa. Seu blog só ratificou esse primeiro pensamento. Agora leio os textos ouvindo a sua voz, haha!
    Parabéns pelo blog, é lindo, lindo.

    ResponderExcluir
  12. Achei seu texto coerente mais no caso SERENA/DARIEN não concordo que não deviam ficar juntos, eles foram se conhecendo aos poucos e no mangá eles se apaixonam nesse processo de descobertas de identidade sem saber que são Serenity e Endymion no futuro. No live action é mais bonito ainda, pq esse processo se dá de forma gradativa e mesmo Mamoru sabendo a identidade da Usagi e sendo noivo, ele não deixa de se apaixonar por ela. O anime matou a história dos 2 e por isso não levo ele em conta, pois o Darien vivia implicando com a Serena, começa a sair com a Rei e quando descobre seu passado eles se "apaixonam" como se isso fosse por obrigação e por isso concordo com seu texto em relação ao anime, apesar de constatar que eles se amam de verdade e Serena na fase Stars sempre deixou bem claro ao Seya o seu amor pelo Darien, mesmo ele se declarando a ela nos episódios finais, que poderia ter traído Darien pois ele estava sumido e isso não aconteceu pois se amam de verdade.

    ResponderExcluir
  13. Você escreve tão bem .
    Parabéns pelo dom que Deus te deu ;)

    http://www.ela-sabe.com

    ResponderExcluir
  14. Guria... tu escreveu uma coisa que por instinto a gente até sabe, mas devido aos dogmas e medos que nós mesmos nos condenamos a seguir, acabamos por não nos permitir por um bom tempo.
    Li uma coisa interessante esses dias atras que corrobora com a tua ideia, o ideal de ser fiel a vc mesmo, aos seus sentimentos.
    Inspirador, revigorante e encorajador. Acho que isso pode definir seu efeito.
    Palavras muito bem colocadas e um português/vocabulário refinado! rs
    Parabéns, moça!
    Beijo no core

    ResponderExcluir
  15. Mary, adoro o modo que vc escreve.. é tão profundo, tão sincero!
    Se puder se inscreva no meu blog... to começando agora

    beijossssss

    ResponderExcluir

Copyright © 2014 - marianasantarem.com.br - Todos os direitos reservados. LAYOUT E ILUSTRAÇÃO POR KÊNIA LOPES. PROGRAMAÇÃO POR SUGAR DANCE.