04 junho 2012

Carma

Crescer é um processo que pode ser mais do que doloroso: são corações partidos, cartas que você queimou, o teste que não passou, a matéria que falhou, a pessoa que perdeu. E, no entanto, talvez o grande trunfo do crescimento seja aquela centelha pessoal de luz que se acende, vinda do que parece ser lugar nenhum, e cria aquele momento da epifania. Não é como se tudo fizesse sentido, mas as coisas finalmente parecem certas.

Talvez uma outra parte maligna do crescimento seja que, por vezes, as pessoas uma vez amadas se transformam em um tumor. Parece que é necessário anos de terapia intensa ou de uma cirurgia removedora drástica para que isso seja expurgado. Porém, quando for, você perceberá que se esquivou de toda a munição que foi jogada contra você.

E nesse momento, tal qual em uma música pop que eu dançaria pelo quarto, não fosse meu tornozelo torcido, eu percebo que fui eu que escapei. Escapei de estar do lado de alguém que nunca me compreenderia, não me aceitaria, nem sequer entenderia o que eu visto ou deixo de vestir. Alguém que não conseguia ser honesto consigo mesmo, quem dirá comigo. Que vive pelas frivolidades de uma geração perdida que não sabe sonhar, apenas possivelmente encher a cara enquanto não saberia estudar uma linguagem que, de maneira obsoleta, explora o vazio de suas mentes.

Então, já que essa é sua diversão, eis um brinde: à todas as vezes que eu te amei e deixei de me amar. Quando eu fiquei esperando até as 20h, completamente arrumada no que eu acharia que seria agradável, por um telefonema que você esqueceu de dar. Um levantar dos copos em homenagem ao fato de que eu não me conhecia na época, e que hoje vejo como você seria tão errado para mim quanto alguém pode ser. E, mais do que tudo, um brinde a sua juventude, ao seu divertimento, as suas palavras levianas, as suas promessas feitas com nem meio coração. E eis o meu coração, empunhado e cheio como um copo, rindo do que você foi.

Dentro da minha mente, tenho a diversão sádica de assistir como realmente é uma porcaria ser você agora.

Comente com o Facebook:

14 comentários

  1. Oi Mari! Me sinto um pouco constrangida em comentar em algo extremamente pessoal seu... mas eu me identifico com o que você passou. Estive em um relacionamento(se é que se pode chamar disso) extremamente abusivo e angustiante quando era adolescente e depois que acabou, levei anos e anos para me recuperar. Mas acho que a chave é se conhecer e se bastar. No fim, você está certa: você escapou de uma!

    ResponderExcluir
  2. Seus textos dão gosto de ler Mari. Adoro textos que possuem alma e me sentir próxima daquilo que o escritor exprime, é viciante!
    Um brinde também ao seu talento maravilhoso! :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. "Então, já que essa é sua diversão, eis um brinde: à todas as vezes que eu te amei e deixei de me amar. Quando eu fiquei esperando até as 20h, completamente arrumada no que eu acharia que seria agradável, por um telefonema que você esqueceu de dar." Se encaixa perfeitamente comigo Mari. Nós temos que crescer em todos os aspectos da vida, principalmente com relação ao "amor". rsrs A vida ensina. E no final o que doeu tanto ontem, hoje é só uma lembrança qualquer minha amiga. :) As vezes eu paro e fico pensando se poderia dar certo.Se foi realmente só mais um relacionamento que não vingou, ou se foi o cara da minha vida. Porém, olhe em volta. Talvez não veja ninguém além de você. Mas saiba: Deus nunca coloca alguém na nossa vida sem uma razão.

    Tudo que doeu um dia se torna um aprendizado pra vida.

    Linda és tu Mari.Com qualidades que eu até diria que é demais pra uma mulher só.

    Se Cuida <3

    ResponderExcluir
  4. campanha..

    MARI ESCREVA UM LIVRO PARA NÒS NOS PERDER EM SUAS PALAVRAS!!!!

    ResponderExcluir
  5. Adoro a maneira como tu escreve, Mari. Tu transmite uma sinceridade com teus sentimentos, fazendo com que quem lê se identifique e relembre coisas que também já passou.
    Ah! E que bom que está pensando assim. É como se nos apresentassem a liberdade (novamente) :)

    ResponderExcluir
  6. Ame-se, em primeiro lugar não tenha pressa ele chegará silencioso, devagar mas verdadeiro... beijos...

    ResponderExcluir
  7. Mari, pra mim você está "curada", ou então no caminho certo para isso.
    Você é uma das pessoas mais lindas, meigas, doces e gentis que eu conheço e ninguém que não possa apreciar, ou dar valor pra alguém como você não merece estar ao seu lado. É isso, continue assim, um dia de cada vez, a dor vai diminuindo, até chegar o dia em que você nem sentirá nada, como se a ferida nunca tivesse sido aberta pra começar...

    ResponderExcluir
  8. Florzinha,

    Acredito que muito nos separa: o estado - então a distância, a idade, a criação..Não me escolheu como amiga, mas eu escolhi admirá-la pelos gostos, pelos sonhos, pela magia e por se encantar pela vida.

    Muitos nos separa. Conheço pouco da Mary pessoa, mas admiro aquela que acompanho no blog e também nos vídeos de make e nos outros que me deixam com vontade de ler as indicações de livros.

    Muito nos separa porque sei algo de você e você nada de mim. Porém, pelo carinho que tenho por você e admiração que foi crescendo aos poucos digo: que bom que foi tão corajosa e teve a opção de ter um futuro diferente. Muitos continuam anos e anos com pessoas ao lado que não as conhece e nem as aceita de verdade. Não escapo disso também.

    Mas é uma questão de luz... O sentimento é de perda, de dor no início.. mas a gente se desintoxica porque o corpo acostuma com a voz, com o cheiro, com tudo... é necessário um período de abstinência para se curar.. Mas como você mesma disse, a cura vem e com ela traz a paixão, a vontade e tudo o que dá cor a vida.

    Seja feliz! Você merece muito mais.

    ResponderExcluir
  9. Oi Mari, vou te fazer uma pergunta que não tem nada haver com o texto ( que eu achei mt lindo) É o seguinte, lembro de um tempo atras que eu assisti um video onde vc mostrou seu quarto. Você nos mostrou um monte de caderninho onde vc disse que eram seus diarios. Minha curiosidade é: vc ainda escreve em diário? sei que parece boba essa pergunta, mas é que sou fascinada por diários, escrevo mts. E queria saber se vc ainda escreve :} beijosss
    http://coisasdedoll.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. É isso, Mari... Paciência. Força. Tava tensa lendo seus últimos posts, torcendo pra você não cair nessa de novo. Não conheço sua história, mas imagino como pode ter sido. Então, ainda bem, posso finalmente comentar: é isso. Você é luz, Mari, não esquece... =)

    ResponderExcluir
  11. Mari!!! Escreve um livro! Tipo o da Linda e Tara Rios!!bjs

    ResponderExcluir
  12. MUITO legal os teus posts! *-*
    só 01 perguntinha: tu tem conta no Skoob?
    já deve ter ouvido falar, mas se não, é uma rede voltada pra pessoas que amam livros: lá dá pra fazer tipo uma estante virtual, selecionar livros que tu já leu, releu, gostou, deseja e o mais legal: poder organizar e conhecer livros novos e que QUER LER :D
    Skoob é SUPER útil! :)

    bjo!

    ResponderExcluir

Copyright © 2014 - marianasantarem.com.br - Todos os direitos reservados. LAYOUT E ILUSTRAÇÃO POR KÊNIA LOPES. PROGRAMAÇÃO POR SUGAR DANCE.