17 maio 2012

Assombrada

Há alguns anos atrás, eu tive que fazer uma escolha entre duas possíveis verdades. Parece estranho - verdades deveriam ser uma só, em teoria - mas o fato é que ambas eram doloridas demais e eu escolhi a que a curto, médio, longo ou algum prazo qualquer, acreditei que me faria sentir menos pior. Optei por acreditar com toda a força que conseguisse que foi tudo uma mentira do seu lado. Que suas promessas eram falsas, que o seu choro era falso, que tudo em você era mais enganoso do que uma maldita zircônia com pretensões de diamante.

Doeu e dói imaginar que pode-se ser tão insignificante para alguém que significa mais do que eu me dou o terror de verbalizar. No entanto, a outra opção era pior: lembrar das suas lágrimas, da sua volta prometida ("não para sempre", era o tanto que aguentaria passar sem mim nas suas palavras), de como alguém sábio me disse que você só precisava de tempo. E, antes de optar por tentar ignorar tudo isso, eu passei mais tempo do que quero admitir agindo como um cordeiro idiota apaixonado por um leão.

Os recortes de memórias daqueles meses me mostram os meus olhos inchados, o mais próximo que já cheguei de perder a esperança de tudo e a raiva crescendo. Disso, eu seguro a raiva como que para tentar esquecer essa trombeta insuportável nos meus ouvidos que fica ressoando desde que eu te vi novamente. Como eu quis berrar, mesmo não sabendo o quê. Será que você notou que eu levantei todas as armaduras do mundo, todos os muros, todas as tropas espirituais possíveis, apenas para ter a força de receber seu abraço sem ter um colapso de sentimentos?



Hoje eu percebo que eu errei naqueles meses; que não fui honesta, não fui clara, não fui sincera sobre tudo que eu sentia. Mas será que se eu tivesse sido, você não teria de qualquer maneira virado as costas? Será que existe alguma especie de destino, uma força magnética, que faz com que duas pessoas precisem estar afastadas por anos para poderem estar prontas uma para a outra? Você se lembra do que alguém nós dizia, de que não era hora de estarmos juntos? Eu lembro e me pergunto se um dia poderia ser essa hora.

Na caixa onde guardo minhas memórias, uma caixa dada por uma memória milhares de vezes mais calma, você é separado de todo o resto - e na verdade, o resto é pouco o que escondo. Eu posso expô-los no meu quarto, em plena luz do dia. Amar os mais antigos e os bem recentes de coração e ser grata por tudo o que eu vivi. Enquanto que você eu escondo, cubro, e sou obrigada a perceber que, por mais que eu tente, o velho aço não enferruja e não me deixa esquecer de quando ele tocava minha pele e eu a sentia queimar.

E aí, a raiva - que agora admito ser sintética e forjada como escudo - vem novamente, tal como maré alta e violenta, e derruba esse castelo de areia sobre o qual eu tenho tanto pavor de refletir. Por mais que me mostrem os sinais, me apertem o braço e me digam "como você pode duvidar? Estava lá, eu vi", eu não quero enxergar nada além do sentimento mais negativo que eu conseguir. Será que você disse "para sempre" para outra? E outra foi sua "Vida"? Não sei, quero saber, mas tenho ainda mais raiva de quem sabe.

Aqueles trechos de música que você coloca expostos, será que tem algum sentido para mim? Como alguém pode ser frio e cínico ao ponto de colocar tão casualmente público algo que um dia enviei para tentar demonstrar o quão mal me senti, se não tem algo por trás? Você é tão frio assim? Tinha algo além de mim naquela hora? Algo dentro de você gostaria que as coisas fossem boas comigo novamente? Ou é outra pessoa já o mais próximo que você chegou do paraíso? Se existe uma razão para que eu não possa saber, ao menos me conte, me dê o final de qualquer esperança. Não que eu saiba se posso matar um sentimento, mas ao menos me livre da algema da incerteza.

Entre os destroços de tudo que eu não consigo juntar, eu gostaria de criar a peça inexistente desse quebra-cabeça. Saber se ela será a última ou se eu simplesmente devo continuar vivendo, aproveitando e sabendo que tudo tem sua hora e lugar. Amores de alma que já encontrei, abraços deliciosos no quão estive, risadas amigas e bocas que me sorriram; cada um especial, intenso, e nenhum que me fez sentir com a certeza que sentia ao seu lado. E, mesmo assim, uma parte de mim, que eu tanto luto para calar - por mais que ela tenha força de gritar as vezes em um espectro que não sei se é simplesmente ingênuo ou sábio - me diz que talvez você seja a que eu um dia ainda terei do lado. Talvez.

Essas dúvidas me assombram como se fossem os próprios sonhos que um dia eu tive e que não posso dessonhar. Como o que eu sinto e, que por mais que lute, não consigo dessentir. Ao ponto de que eu as escrevo para o mundo inteiro saber, na esperança que você veja e possa me mandar qualquer sinal. Mas, aí, você ver já seria um sinal?





Comente com o Facebook:

24 comentários

  1. Como sempre...um texto maravilhoso, onde passeamos pelos sentimentos embarcados em imagens e metáforas ternas e românticas mas nunca banais. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Mari... nó na garganta sem palavras!!!!o que dizer ???já passei por isso... mas uma boa notícia se ajudar... tudo passou sobrevivi!!!ele não voltou acho que não era o amor verdadeiro,ainda não, logo outro se mostrou, e dele veio uma filha linda que hoje tem 9 anos!!! Espere! Aguarde, não sofra Viva!

    ResponderExcluir
  3. Sempre quando analisamos o passado, temos a nítida sensação de que, ao voltar, faríamos diferente, mas será? Talvez o passado nos persiga, como um grande obsessor, outras vezes pode ser apenas um amigo, e nas minorias das vezes, ele traz tristes lembranças que nos fazem chorar. Mas é comprovado cientificamente que ao lembrar, nosso cérebro não sabe se aquilo é uma lembrança, ou se aquilo está acontecendo, por isso sentimos as mesmas sensações.

    Engraçado, não sei por quais razões redigi isso, mas seu texto me fez escrever isso.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Bravo...
    Depois de ler algo tão bem escrito assim, fica difícil dizer algo...

    ResponderExcluir
  5. Gosto sempre do que você escreve Mari, é sútil e intenso, ao mesmo tempo.
    Exponha sempre, gosto de me encontrar em suas palavras.

    Beijoss!

    ResponderExcluir
  6. Não sei se esse texto é baseado no que você está passando, acredito que sim mas desejo que não. Por vezes seus vídeos me fizeram sorrir em uma dia triste. É engraçado como todos já conhecemos tanto de você, é como se fosse uma amiga distante ( que ainda não encontramos). Sei que é praticamente impossível que vcê conheça todos que leem seu blog ou assistem seus vídeos mas saiba que você faz diferença tornando o mundo um lugar melhor, mais colorido com mais cupcakes (:
    Eu gostaria tanto de retribuir isso de alguma forma,só espero que ler esse comentário de faça sorrir por uns instantes...
    Tem uma música dos Engenheiros do hawaai que diz "já vi o fim do mundo algumas vezes, na manhã seguinte estava tudo bem." Pode não ser na manhã ou na semana seguinte, mas um dia estará!
    Te desejo o melhor,Mari, grande beijo e abraço virtual beem apertado <3

    ps: OBRIGADA por me apresentar Avantasia, MESMO.

    ResponderExcluir
  7. Mari,já passei por isso,e acho que vc descreveu exatamente o que senti,senti até o nó na garganta ,o coração palpitante e as lagrimas quase rolaram,percebi que todas já passaram por isso também,ou ainda vão passar enfim....
    Hoje estou bem,acredite o amor verdadeiro não nos faz sofrer nem nos assombra,ele é calmo...ele é amor verdadeiro!!!!
    As marcas vão ficar,como cicatrizes,mais vc vai olhar pra elas e perceber que vc tinha que passar por aquilo por algum motivo,pra se tornar alguem mais forte talvez,como foi comigo e aprender a amar de verdade....
    Espero do fundo do meu coração que vc esteja bem,e acho o destino ironico,porque quando descobri seus videos estava passando por esse momento,e muita das vezes com lagrimas nos olhos assisti aos seus videos e de certa forma mesmo que um pouco,eles amenizaram a minha dor,me fizeram sorrir e aprendi mto...espero que com as minhas palavras,nem que seja um pouco vc possa sorrir também!!!
    Te considero uma amiga acredite!!!! qualquer dia desses nos esbarramos por ai quem sabe ^^

    Bjus Mari ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jéssica, muito obrigada pelas palavras carinhosas e apoio!

      Mas eu devo discordar: o amor verdadeiro machuca SIM, as vezes. Porque na vida há coisas que não podemos remediar e tomar conta, seja a morte da pessoa amada ou circunstâncias, voltas e reviravoltas.

      Não dói por ser um sentimento falso, pesado ou mesmo fogo de palha. Ele dói porque você verdadeiramente gostaria de ao menos saber se essa pessoa está bem, seja nesse mundo ou em outro.

      O negócio é que não podemos escolher se seremos machucados ou não. NO ENTANTO, temos algumas escolhas sobre quem nós machuca. E, apesar de tudo, eu estou feliz com minhas escolhas: porque são as que eu amo de verdade. Todos os que tem o poder de me machucar, em um momento ou outro, ganharam esse poder.

      OBRIGADA pelas palavras carinhosas, de novo! Senti um abraço virtual bem forte e gostoso :3 e estou mandando outro para você... ♥

      Excluir
    2. Obrigada Mari...concordo com vc tbm! estava falando do amor falso," a situação que eu vivi" ,olhando com esse ponto de visto,o amor doi SIM!!!

      Obrigada novamente,outro abraço ^^

      Excluir
  8. Oi Mariana!!! é a primeira vez que comento, porém te acompanho a um tempo... mais nada me chamou tanta atenção quanto este texto... poxa me deu um nó na garganta e por instante desenterrei algo que eu tava conseguindo emcumbrir... mais que vai ter que ficar esquecido de novo, pois é assim, tipo, impossível!!!!
    Bjinhosss amo tudo que vc faz!!!!
    :)

    ResponderExcluir
  9. Sabia que olhar seus vídeos e perceber que apesar da sua tristeza, você continua com um sorriso no rosto, me deixa mais forte? Também estou passando por uma situação que acredito ser semelhante a sua. Não sei se ainda acredito que passará por completo. Mas tenho esperança de que um dia, pelo menos a raiva e as mágoas desapareçam. Espero o mesmo pra você, Mari.
    Ah, e faz tempo que isso aconteceu?

    Um abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
  10. Mari,
    Belíssimo texto.Visceral.
    O amor machuca simplesmente pq ele não é só nosso. Cria-se um mundinho onde ele faz parte de duas pessoas, e simplesmente não conseguimos acessar a caixa de entrada do outro.
    Medite, mantenha-se em paz.O que é teu há de vir no tempo de fazer feliz.
    Um abraço de urso, com muito carinho.

    ResponderExcluir
  11. Uma explosão de sentimentos,foi o texto
    mais intenso que já li.Muito muito lindo!
    Abraços e tudo vai ficar bem ;*

    ResponderExcluir
  12. Adorei o blog, muito lindo, amei tudo. Parabéns mesmo, vou sempre estar por aqui (:

    ontendency.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Mari, do jeito que escreve nem parece fictício, rsrs. Parabéns escreve muito bem. Já pensou em escrever um livro? bjs

    ResponderExcluir
  14. Mari, eu namorei pela primeira vez em 2007. Durante 2 meses. E até hoje as feridas permanecem. Lendo esse texto, elas reabriram. Na verdade, elas nunca se fecharam. As coisas ficaram mal resolvidas. Depois de um tempo eu perdoei ele, hoje estou com outra pessoa. Mas eu preciso me livrar das incertezas, das duvidas e dar um sentido ao sofrimento que passei. Sei que vc e muitas outras meninas que comentaram aqui me entendem. Na noite passada, sonhei com ele. Foi meu primeiro namorado, ok, vou amá-lo para sempre. Mas...eu não sei o que fazer. Minha vontade é de procurar ele e dizer tudo e pedir que, por gentileza, ele me dissesse tudo também. Eu só queria um pouco de coragem para fazer isso. Depois de 5 anos eu amadureci, mas ainda preciso dessa força, de esquecer o fato de que ele pode me ridicularizar quando eu procurar ele para enfim saber a verdade. Espero que vc não passe pelo mesmo. Que vc se resolva e se liberte das "algemas da incerteza" o quanto antes. Um dia, espero que em breve, eu também me libertarei. Desculpa o desabafo. Mas ninguém mais sabe disso. Guardo dentro de mim ha tantos anos. =(

    ResponderExcluir
  15. oiii Mari
    eu adoro seus textos, vc escreve muito bem... Te acho linda e inteligente... Como faz pra ser tão inteligente assim em?? Será que vc não poderia dar umas dicas pra mim??

    ótima sexta pra vc Mari
    Deus te abençoe
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. oi mari sabe hoje entrei num blog que estava te indicando ai eu entrei no seu blog eu amei e esse desabafo foi tão profundo que tocou meu coração eu até chorei.Mas achei que isso foi realmente lindo e me inspirou então origado!!! (:

    ResponderExcluir
  17. Tão perfeito que qse chorei... Eu me sinto assim tbm e faço a mesma escolha...

    ResponderExcluir
  18. Este texto lindo me fez refletir sobre algo que é maravilhoso quando sentido, mas com o tempo este pode trazer dor e escolhas difíceis! O amor...
    Sei que pode estar sendo difícil o que você está passando e por isso fiz um texto dedicado a você!
    espero muito que dê atenção às minhas palavras e leia, pois quem sabe de algum modo isso venha a te ajudar!
    http://lacosderendasc.blogspot.com.br/

    Gosto muito do modo como expressa!
    Beijos..

    ResponderExcluir
  19. Mari, acho que vou precisar reler esse texto mil vezes antes de conseguir fechar a página. Não posso imaginar quais foram suas verdades, mas tenho certeza de que foi muito parecido com algo que vivi. E não sei quanto ao tempo, mas comigo aconteceu há muito, muito tempo, e ainda assim sinto como se fosse ontem. Eu já sei que há uma outra pessoa e que eu já sou um passado enterrado, eu até consigo rir quando me falam sobre isso e viver minha vida, meus amigos, meus dilemas, sem pensar nisso. Mas quando ele segura a minha mão, você sabe, é como se eu estivesse mentindo pra mim mesma ao dizer que acabou. Mas acabou. Quem vê nós dois juntos, rindo e brigando por qualquer bobagem, diz que ainda vamos nos casar. Mas no final é para outra pessoa que ele posta músicas. Imagino que seja algo parecido com o que você diz, Mari. Para qualquer pessoa que veja de fora, sou apenas uma menina boba que AINDA não esqueceu aquele cara, mas só eu sei que o mundo poderia acabar e eu estaria feliz se soubesse que ainda podemos dar certo, nem que seja daqui a alguns anos. Enfim, queria te dizer que obviamente não posso saber por você e te livrar de suas incertezas, mas eu fui sincera, eu disse tudo o que era preciso, eu soltei o que pensava e sentia e fiz com que ele dissesse também e, bem, não mudou muita coisa. Amor não se resolve com conversa.

    "Será que existe alguma especie de destino, uma força magnética, que faz com que duas pessoas precisem estar afastadas por anos para poderem estar prontas uma para a outra? Você se lembra do que alguém nos dizia, de que não era hora de estarmos juntos? Eu lembro e me pergunto se um dia poderia ser essa hora." <3

    ResponderExcluir
  20. Uau! Que texto incrível! Fico lendo e relendo sem conseguir parar..

    ResponderExcluir
  21. Aí Mari, acho que nunca comentei nem em seu blog nem no face e se que no youtube. Mas te acompanho já faz um tempo e admiro muito a dedicação que você tem com todas as pessoas que te acompanham e admiro muito mais você compartilhar conosco não só coisas legais e fofas, mas também sentimentos em forma de palavras!
    Sinto como se fossemos amigas sem nunca ter trocado uma palavra contigo.
    Sempre que estou em casa procuro seus videos e de outras blogueiras que acompanho e que deixam meu dia mais divertido, já que sempre aprendo algo novo.

    Na verdade só queria agradecer mesmo...e dizer que sempre que estiver meio triste por qualquer motivo lembre-se que tem um monte de amiguinhas na net que querem te ver feliz e que fariam o possível para isso!

    Um grande abraço com carinho!

    ResponderExcluir

Copyright © 2014 - marianasantarem.com.br - Todos os direitos reservados. LAYOUT E ILUSTRAÇÃO POR KÊNIA LOPES. PROGRAMAÇÃO POR SUGAR DANCE.